20.5.04

primeiro poema

Escrevi esse título aí em cima e depois pensei: que coisa mais forte, primeiro poema... Eu ia só colocar um poema aqui hoje, e como ia ser o primeiro do blog escrevi isso, mas daí achei tão sério que pensei em colocar o meu primeiro poema - ou o primeiro que me fez pensar "nossa, será que eu posso ser poeta?" e desencadeou todo o resto. Mas confesso que não saberia precisar exatamente qual foi...

Isso me fez pensar numa conversa que tive ontem com a Elisa Lucinda, minha amiga e mestra, sobre títulos e como eles podem ampliar brutalmente o entendimento de um poema. Eu não sei brincar de título, e no meu livro os poemas vêm a seco mesmo, por falta de opção. Até o título do livro foi uma novela, e eu estava decidida por busca, s.f., sendo s.f. substantivo feminino, naqueles moldes de dicionário, sabe? Minha mãe achava que parecia futebol clube, e a Elisa achou que parecia Cristiane F, drogada e prostituída, e acabou que foi ela que me deu a chave: pra quê o busca? substantivo feminino era o suficiente, e não naquelas ridículas abreviações, mas de forma clara e direta. Assim ficou e eu sou eternamente grata às críticas, porque a-d-o-r-o o nome do livro, que eu acho que combina com ele e comigo.

Voltando ao título do post, vou colocar aqui então o primeiro poema do substantivo feminino , que aliás é o meu único poema feito sob encomenda. Eu estava em Fortaleza trabalhando e recebi um telefonema da Thiaré, amiga do meu namorado, me pedindo um poema sobre mulher pra abrir uma noite que ela estava organizando no Cep 20.000. Eu já estava com umas idéias e escrevi esse poema que acabou abrindo não só a noite do Cep mas também o meu primeiro livro, sendo portanto um poema com vocação pra aberturas...

Uma mulher é uma mulher ainda que.
Palavras e formas não comportam o conteúdo.
Uma mulher pode ser um jeito
Uma costela ou um defeito.
Uma mulher transborda pelos cantos
Enche as medidas
Contorna o desafino
Toca punheta e toca sino.
Uma mulher pode ser um grito
Uma barriga
Um precipício.
Uma mulher pode ser um abismo ou um porto
E pode ser os dois
E é.

5 comentários:

Anônimo disse...

Maria querida,

Adorei conhecer seu blog! Vou poder acompanhar seus pensamentos de vez em quando... que delícia!

Esse poema é lindo, só de ler já ouço e vejo você recitando ele pra gente.

Beijos da prima,

Luiza

Anônimo disse...

Oi Maria! aqui é o Junior, vizinho do seu namorado e músico, público, não só seu, aliás, meu mais novo parceiro pra compor(;P)... incrível esse poema... adoro!

Anônimo disse...

Gosto de títulos. Conheço obras que já valem pelo título e outras que sò valem pelo título. rs Substantivo Feminino nâo só é um título bom e conceitualmente perfeito como um livro bonito.
Henrique

Eliana Wissmann Alyanak disse...

maria:

qualquer que seja a forma ou o conteúdo,
qualquer que seja a música ou o instrumento,
a voz, o estilo e a intensidade
só mesmo a mulher,
grande conteúdo-continente
em permanente atividade conseqüente
a ser e estar assumindo suas garras e luvas
a amar, desbragada e lindamente...

gostei demais de seu substantivo feminino, tanto que lhe respondi em verso, no ato da leitura do mesmo.
grande abertura, que o rio flua e te faça feliz...

Eliana Wissmann Alyanak disse...

medidas e limites
regras e descontroles
tiques e maneirismos

tudo ao estilo
da grande figura

mulher

que seja objeto
sempre presente
grito, uivo ou sussurro

que assume
vida, parto e desconforto
companheira de todas as horas
de um trajeto torto

vida, bandida ou digna
valorando o conteúdo-continente
da atitude consequente
do ato determinante

da mulher fêmea pensante...
estimulante extasiante e exasperante...

Maria, de tanto que gostei de seu poema, respondi com outro.
Espero que goste,
sucesso!