20.12.09

Na rua, de graça!


DIA DA RUA – 12 bandas, 12 esquinas – A RUA É GRÁTIS
Segunda, 21 de Dezembro – 20hs

PÇA CAZUZA – Os Outros + qinhO
QUADRILATERO DAS VAIDADES (Rua Aristídes Espinola) - Matheus Von Krueger
RUA GAL. ARTIGAS – Chicas
RUA GAL. VENÂNCIO FLORES – André Carvalho
RUA JOSÉ LINHARES – João Bernardo
RUA ALM. GUILHEM – A Casca
AV. AFRÂNIO DE MELO FRANCO – Samba do Gnaisse
BAR VINTE – Bondesom
RUA ANIBAL DE MENDONÇA – Binário
RUA MARIA QUITÉRIA – Os Dentes
RUA VINÍCIUS DE MORAES – Panamérica + Supernaturais
RUA FARME DE AMOEDO – Les Pops

É o segundo ano desse evento bacanérrimo, bandas novas tocando na rua de graça, no mesmo dia, na mesma hora, tudo ao mesmo tempo agora! Tem muita gente bacana, mas claro que eu vou estar na esquina da Visconde com a Farme vendo os Les Pops, que são Rodrigo Bittencourt, Daniel Lopes e Thiago Antunes.


16.12.09

do blog da Cris Lustosa

Eu sou uma moca educada. Atrasada, mas educada. Se recebo um email, eu respondo, gente. Sim, tem vezes que demora anos, mas eu respondo. Agora, se o email em questao contem fotos lindas minhas tiradas em um evento super bacana, me desculpem a franqueza, mas eu respondo na mesma hora!

Pois hoje minha prima Mariana, a mais nova fotografa da cidade, me contou que a sua amiga Cris Lustosa me mandou um email com fotos lindas tiradas na noite do Projeto Gloss, e por que cargas d' agua eu nao tinha respondido, hein? Porque eu nao recebi, menina! Mas a comunicacao se fez, eu fui la no flicker da Cris e amei tudo, as minhas fotos, as outras fotos da noite, todas as fotos, enfim!

E olha, pode ter certeza de que eu ja teria dito isso ha tempos se esse bendito email tivesse chegado... E ja que o flicker nao permite comentarios de quem nao e cadastrado (que chatice...), faco aqui meu agradecimento publico! Com recomendacao: visitem e curtam as imagens! E tambem com pedido: eu quero... Como eu faco pra ganhar essas fotinhos pra mim?

9.12.09

é hoje, e vale a pena



Ok, o aviso tá mais do que em cima da hora. Mas a vida às vezes traz surpresas que valem a pena o impulso de aproveitar, e pra mim essa é uma delas: recital de poemas da Viviane Mosé na voz dos alunos da Escola Lucinda seguido de papo dela com a Elisa, na linda Casa Poema. Imperdível.

A Casa, aliás, segue firme e cada vez com mais chances de se manter de pé, como tem que ser. O movimento "não vamos deixar esse espaço acabar" rendeu frutos, e viva eles! Vida longa à Casa Poema e a esse delicioso "A poesia do encontro"!!

6.12.09

Em POA com a Martha



Há bem da verdade já tem um tempão, bem mais de um mês, mas só agora o Fernando me mandou as fotos. O Fernando é esse aí da esquerda, e os outros somos eu, Martha e Rodrigo na Palavraria, livraria bacanérrima de Porto Alegre onde ele organiza um evento chamado Palavra, alegria da influência, reunindo um autor jovem com outro que tenha influenciado a obra dele.

O Fernando me convidou, eu convidei a Martha, e olha que maravilha, ela topou! Era uma tarde chuvosa e a livraria encheu de gente pra assitir um papo que eu sempre quis ter e nunca tinha tido a chance. Eu descobri a poesia da Martha ainda adolescente, lendo Capricho, e depois li reli e treli a poesia reunida dela da LP&M.

Na época em que eu estava na Escola Lucinda de Poesia Viva, onde aprendi a dizer poesia, fizemos um recital dos poemas dela e ela veio, e assim fomos ficando amigas devagar devagarinho, com muito carinho e poucos encontros.

Quando eu lancei meu primeiro livro mandei pra ela, que foi super afetuosa, e agora com o Bendita Palavra esse carinho ficou público em coisas como essa e essa. É esquisito pra caramba quando alguém que você passa anos admirando começa a também admirar você. Dá orgulho e timidez e medo de parecer presunçoso e uma alegria danada.

Pois essa tarde foi isso tudo dando no mar. Rimos, contamos histórias, lemos poemas, tudo que poderia ter sido feito só com um café e um bolo, mas com água mineral e uma platéia atenta. Um luxo só. E viva o Fernando por me proporcionar mais essa.

De quebra, ainda teve pocket show com o Rodrigo, e canja da Dani Rauen, cantora da Suco Electrico e nossa anfitriã nessa temporada gaúcha na sua casinha de sonho com Josué e Dona Rosa.


























26.11.09

Bombando no JB


Eu e Rodrigo andamos rindo: de repente o casal bomba no JB! Semana passada foram os Les Pops, hoje eu e as meninas no Projeto Gloss, da Alexandra Scotti. Foi 3a feira, no Cinematheque, e foi demais! 

A Heloisa Tolipan conta tudo aqui

Pra ver o jornal de verdade, sempre mais charmoso, clique aqui.

23.11.09

poesia em Sampa


Passei o sábado lá imersa nela - sendo lá Sampa e ela a poesia. Falei poema na feira da Benedito Calixto, participei de uma mesa muito legal na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, ali do ladinho, com a Analu Andriguetti, que adorei e lança ano que vem o primeiro livro, o Jesús Ernesto Parra, venezuelano figuraça cujos livros não se acham por aqui, e mais o Hugo Guimarães, o caladão do contra da mesa. Depois vendi livros, conheci gente ótima, e lá passei a tarde assistindo ao resto da programação da Balada Literária.

Eu achava que, com esse nome e organizada pelo animadíssimo Marcelino Freire, a Balada era uma espécie de festa caótica e boa, mas ela é mais: é um encontro degente bacana de vários cantos do Brasil e da América Latina, super bem organizada, com um público interessado. Tudo dá certo, tudo é bacana, e a loucura fica pras noites na Mercearia (onde em janeiro eu lancei o Bendita Palavra).

Ontem foi o fim oficial do evento, e eu já não estava porque voltei pro show dos meninos aí embaixo - que aliás foi de arrasar! Mas essa semana tem a ressaca da Balada com um papo com o João Ubaldo Ribeiro, e pra quem não quer esperar, HOJE tem esse lançamento sensacional do meu amigo Ramon Mello, jornalista e poeta dos bons! Então paulistas, aproveitem!!

19.11.09

Les Pops no JB ao vivo


na capa

a matéria


(a matéria tá demais,
a banda é o máximo,
3 caras talentosos pra valer,
o show de estréia no Cinemathèque promete,
e eu ainda vou comemorar lá meus 31,
então, como eu sempre recomendo,
apareçam!)



17.11.09

na Balada Literária

Esse fim-de-semana vou pra Sampa participar da Balada Literária! É o 4o ano dessa festa que junta autores novos e consagrados, em mesas, debates, festas e lançamentos ótimos! Eu sempre quis ir assistir e nunca rolou, e esse ano, genial: vou como convidada participar de uma mesa! Vai ser no sábado, dia 21, e a cola tirada da programação oficial no site tá aqui:

14h30 – Biblioteca Alceu Amoroso Lima

Um bate-papo com quatro poetas da nova geração sobre publicação, novas mídias e o que é - e por que - “ser poeta” no mundo de hoje

BINHO [poeta, criador do Sarau do Binho] conversa com ANALU ANDRIGUETTI [autora do livro inédito A Matadora de Orquídeas], HUGO GUIMARÃES [autor do livro Poesia Gay Underground], JESÚS ERNESTO PARRA [poeta venezuelano, autor de Sombras que Cruzan las Paredes] e MARIA REZENDE [poeta carioca, autora, entre outros, de Bendita Palavra]

Tô super feliz com o convite, e doida pra curtir esses dois dias de papos e risos literários! E domingo volto correndo pro show de estréia do Les Pops, banda nova do meu amor que tá demais! Já já filipeto aqui!

14.11.09

IMPERDÍVEL!!!


Porque o Gullar é o Gullar, pra além de rótulos de "o maior" um puta poeta brasileiro, vivíssimo
Porque a Casa Poema é um sonho de lugar, único no Rio (no Brasil? alguém conhece outro?) em que a rainha é a poesia
Porque o papo é com a Elisa, que é poeta, atriz, cronista, mãe, mulher bacana, e MUITO boa de papo
Porque essa casa, oásis da palavra bem dita em Botafogo, com recitais, aulas, encontros, lançamentos (incluindo o do Bendita Palavra, há quase um ano), corre o risco de fechar e precisa de parceiros, apoiadores, amigos;
Então, apareçam!!

13.11.09

Projeto Gloss - 2a tentativa

O que era pra ter rolado na 3a passada, dia do famoso apagão, ficou pra dia 16. Mas como nesse dia eu já vou estar falando poesia em outro lugar, vou lá dia 24, na última noite do projeto.

Então dia 24, 3a feira, estarei de volta ao Cinemathèque dizendo poemas ao lado da Alexandra Scotti e das 3 bandas da noite. Quando souber quais são passo aqui pra dizer...

11.11.09

Mulheres (e todos mais) no breu

Era ontem a minha noite no Projeto Gloss. Me arrumei bonitona, corri do trabalho direto pro Cinematheque, e bem na hora de começar o show de abertura da Alexandra Scotti, veio a escuridão. Ainda ficamos por lá achando que a luz ia voltar logo, rolou uma proposta de sarau acústico à luz de lanternas, mas acabei foi indo pra casa já 1h da manhã sem ter falado poesia nem visto nenhum dos quatro shows, exausta à tôa...

Isso tudo depois de passarmos anos pagando taxas extras de energia elétrica pra manter e atualizar Itaipu e etc. Realmente tem horas em que me desanima o Brasil... Porque eu só perdi uma noite bacana, mas e quem ficou preso no elevador? E quem foi assaltado no arrastão do breu? E quem estava sozinha na rua deserta? E quem estava...

3.11.09

eu no Projeto Gloss

Estréia hoje, e é um projeto super bacana só com bandas de mulheres, três por noite, toda 3a de novembro. Quem inventou e apresenta, fazendo o show de abertura, é a Alexandra Scotti, cantora querida de Porto Alegre que agita todas aqui no Rio. Na semana que vem, dia 10, eu estarei lá dizendo poemas entre os shows, e curtindo o som que eu ainda não conheço. Vejam aí embaixo!

* ALEXANDRA SCOTTI faz os shows de abertura em todas as noites do
Projeto Gloss e em seguida, recebe as cantoras.

Programação completa:

* 3 DE NOVEMBRO
* 10 DE NOVEMBRO
FUZZCAS
+ poemas de Maria Rezende!

* 17 DE NOVEMBRO
* 24 DE NOVEMBRO
ANNA RATTO

31.10.09

Cinco fotos por vez

Foi o máximo que o blogger me deixou postar, então fica sendo. Sem contar que ele postou na ordem inversa à que eu queria. Mas enfim, aqui tem, pela ordem do blogger: com os campos da Toscana na entrada de Volterra, com o rio Arno em Florença pelas lentes do meu amor, ouvindo muzga com a paisagem no trem de Veneza pra Florença, no alto da torre vendo a Piazza San Marco em Veneza, e na frente da Plaza de Toros em Madrid.

Foram dias de sonho e ver as fotos é quase como estar lá de novo, então se tudo der certo eu driblo a falta de tempo da volta e vou me divertindo escolhendo fotos pra colocar aqui, cinco por vez, como quer o blogger...






5.10.09

Na Toscana e no JB!

Amanha faz duas semanas que a gente viajou. E nao, computadores na Europa nao tem acento, e ta tudo tao genial que eu nem ligo. Achei que nao ia ter tempo pra vir aqui mas de repente estamos em Siena, em plena Toscana, e nosso hotel e o maximo e tem internet, e agora aqui meia-noite e tal e o bichinho de ver email me mordeu. Depois de dirigir por cidades muradas com igrejas do seculo 13 e tomar sorvete numa praca medieval vendo a lua aparecer e sumir nas nuvens, devia estar lendo o livro novo do Miguel de Souza Tavares que comprei em Lisboa, mas enfim, impulso e impulso, to aqui na frente da maquina, e tenho feito isso tao pouco que to adorando.

Sao dias de descobertas e deslumbramentos, e o olho cansa de ver de tanta beleza que tem. As pernas nem se fala, as minhas pediram demissao ha uns 5 dias, hoje ate que toparam voltar ao servico... Ja teve Lisboa, Madrid, Veneza, Florenca, agora Siena e depois de amanha Roma, e ai Paris pra terminar com chave de ouro. Mais 13 dias de idilio, benvindos e muito bem aproveitados.

Enquanto isso no Rio uma super materia comigo na Revista de Domingo do JB, com fotos lindas do Marcelo Faustini e texto da Andrea Dutra!

22.9.09

nas europas

então depois de dois anos de planejamento e dois meses de absoluta dedicação aos trabalhos e sumiço do mundo, hoje começa a famosa "viagem-pra-europa-de-férias-e-lua-de-mel ".

nem acredito que amanhã a essa hora vou estar domindo em lisboa - dormindo, porque estar acordada agora,às 7h22 de terça-feira, é pura ansiedade pelos últimos preparativos que incluem ir na pedicure cuidar de uma unha querendo encravar, buscar uma sapatilha no sapateiro, dar beijos na ceição e na graça, que cuidaram de mim desde pequena, e ainda deixar as recomendações pra nossa diarista que virá uns dias durante esse mês.

sim, é um mês. a felicidade existe, e eu tô doida pra chafurdar nela!

ps 1:pode ser que eu mande fotos e notícias. pode ser que não. então já me desculpo pelo sumiço, e se eu aparecer é lucro!

ps2: de brinde antes de viajar, deixo os vídeos de apresentação dos músicos da Les Pops, uma banda nova e ótima, formada por três compositores incríveis: o meu amor Rodrigo Bittencourt, e mais Daniel Lopes e Thiago Antunes.

19.9.09

Salve Geral na disputa pelo Oscar!

Ontem foi um dia frenético. Ao meio-dia saiu o anúncio de que o filme do papai era o representante brasileiro a uma das cinco vagas de melhor filme estrangeiro no Oscar do ano que vem. Ele, que tá no 12o filme, com uma carreira feliz e bem sucedida, me disse que nunca teve um dia assim, tão frenético e feliz. Porque o sucesso de um filme se dá em goles, com uma crítica boa ali, uma matéria legal lá, e as respostas das pessoas que devagarzinho vão assistindo.

Mas essa história do Oscar não. É uma notícia, que saiu ao meio-dia, e cinco minutos depois ele estava dando entrevistas ao vivo pelo telefone, e assim foi o resto do dia inteiro, culminando com uma puta festona que já estava marcada mas serviu de celebração pra essa alegria quase inesperada. Estamos felizes, todos, curtindo essa onda. Agora é esperar fevereiro e ver se o filme consegue passar nessa peneira tão fininha. Mas até lá o mais importante já vai ter acontecido, que é o lançamento dia 2 de outubro, e a carreira do filme aqui no Brasil, que vai ser potencializada por essa indicação, e viva ela!

Tem matérias legais sobre o filme aqui, aqui e aqui. E aproveito pra avisar que o making of do filme, feito por mim, estréia hoje no Canal Brasil às 22h35, e tem reprises depois nos seguintes dias:

19/09 (HOJE) - 22h35
20/09 (dom) - 15h45
22/09 (3a) - 2h10
24/09 (5a) - 8h40

16.9.09

Das delícias

Botar o livro na rua tem dores e delícias. Falei sobre isso aqui, concluindo que na verdade tudo é delícia, mesmo que às vezes meio amarga, meio azeda, porque ter o trabalho comentado já é sensacional.

Mas é preciso dizer que uma
resenha
como essa aqui embaixo é muito, mas muito mais gostosa de receber... Saiu no jornal Rascunho, de Curitiba, que eu conheci agora e adorei, escrita pelo Igor Fagundes, que é um poeta dos bons, e fez uma resenha das mais poéticas e carinhosas pro Bendita Palavra!

POESIA ANFITRIÃ

Igor Fagundes • Rio de Janeiro – RJ



Bendita palavra
Maria Rezende
7Letras
60 págs.

Se livros são espécies de casas, com direito a portas, janelas, sótãos e porões, este Bendita palavra, de Maria Rezende, também se (nos) constrói como habitat e habitante, persona anfitriã ao nos chamar, convidar, receber com carinho, delicadeza e cumplicidade, desde a entrada, onde, já descalços, rumamos ao café na sala, ou na cozinha, ao som de um velho rádio de pilha, rindo lágrimas, chorando sorrisos. Entre açúcares, adoçantes, amigos e desconhecidos.

Essa doçura, isto é, essa hospitalidade de Bendita palavra começa antes da poesia propriamente dita. Diríamos, ainda, que a poesia, propriamente não-dita, começa por fora, antes de cada um dos poemas por dentro escritos e que grafitam "com o dedo um muro sem argamassa". Principia nos cuidados poético-editoriais, no design da capa, em cuja foto - com o rosto da autora tão de frente mesmo tão de costas, de novelos-labirintos de cabelo nitidamente embaçado - antecipa e precipita o "jeito particular de se exibir e se esconder", trejeito fundamental de toda poética. E é na pista do corpo da artista tornada sua própria obra de arte, nesta assunção do eu como espaço e tempo em que a palavra se tatua ("um dia as crianças vão deitar sobre meu corpo pra aprender a soletrar"), que se flagra o tônus deste livro nada encabulado de querer-se diário íntimo-e-de-todos, conforme nos confessa outro esmero, o da quarta capa, ao projetar rabiscos e rasuras de caderno: bloquinho de anotações, sensações em bloco, em que o leitor, acolhido antes de acolher, se informa a respeito do que encontrará nesta casa, que, por oportunamente se exibir e se esconder, sabe também da manha-anfitriã de não revelar tudo. O sabor daquele café ao som do velho rádio, o jovem beijo da xícara, o abraço infante da colher no pires, só os saberemos se aceitarmos o apelo para prová-los. Difícil recusar o convite. Folheamos a morada e o cheiro-cafeína nos folheia a trazer: "6 desertos, 17 amores, 26 medos, 9 desejos, 7 filhos, 48 eus, 19 palavras, 3 raivas, 7 sonhos, 7 mulheres, 9 quandos, 22 casas, 9 homens, 16 noites, 13 mundos, 5 tardes, 15 dias, 4 erros, 4 solidões, 11 silêncios, 3 ruas, 8 crianças, 1 surpresa, 1 loucura, 1 romance, 1 coração, 1 pessoa, 2 angústias...".

Que não se espere aqui, no entanto, matemáticas (forma fixa, pensamento preciso), pois "o risco não é só um traço", mas "bambo da corda solta no ar", "pergunta te atacando ao meio-dia". Depois do café, ficamos para o almoço? "As coisas boas são prisões sem grades" e nos sentimos livres com a porta trancada se, de aberturas, vive o lar repleto. E as persianas. E as cortinas. Nós, despojados como a dicção dos quartos de Maria da Poesia Rezende, bem como de seus corredores e paredes com tinta desbotada, carnadura retorcida por veios de infiltrações, que "o amor quando insiste deixa a gente encharcado". É bem provável que, por conta disso, a voz exageradamente lírica (e o exagero é risonhamente destacado com exagero na biografia da poeta), invente "uma fala clara/ palavra feita pra boca/ com jeito de todo dia". De novo, a hospitalidade desta escrita comparece na vocação para a oralidade (o livro tem até sua versão em CD), em que o coloquial e até desbocado ("adoro pau mole pelo que ele encerra de possibilidade") se tornam trunfo e triunfo de uma conversa sem protocolos, desejosa apenas de se sentir cotidiana e à vontade, de nos fazer com que igualmente nos sintamos com ela à vontade, e com vontade de também relaxar nosso verbo, sem perder-lhe a força e a graça: "Nu aqui é pelado/ seio é peito/ (...)// Aqui não cabe floreio/ aqui reverto a inversão/ simplicidade, aqui, é sofisticação".

Todavia, poderíamos listar algumas quinas encardidas pelo caminho, dois ou três tapetes de banheiro molhados, dois quartos de cama ainda desfeita (da hora de acordar à de, mais uma vez, dormir), pilha de louças por lavar na cozinha, porque o lirismo com excessiva sede de claridade, despudor, desregramento e comunicabilidade não está livre de resvalar no confessionalismo, por vezes fatigante para quem lê. Afinal, as emoções particulares de um poeta, embora matéria-prima (mas não garantia) de arte, não interessariam ao leitor à procura de conteúdo transmitido por forma trabalhada sem caprichos de ego. Bendita palavra não é recomendável para quem preza obras ricas em recursos estilísticos, virtuose imagética-fônica-rítmica, impessoalidade discursiva a fim de conceder voz apenas à linguagem. Não raro, e no entanto, a fartura desses elementos culminaria muito mais em retórica do que necessariamente em poesia e um visitante descomprometido com preconceitos e manuais por vezes mofados de estética pode realmente se tornar hóspede contente e se surpreender com estes rascunhos de "encaixes perfeitos", "brilhos nos olhos", "gente que abre a gente feito flor, cebola", "mundos no mundo". Não é fácil, por exemplo, escrever sobre a morte com tanta leveza ("Morrer podia ser só um pouquinho/ podia ser um passeio/ viagem pela noite que acabasse no café") e é por ternuras dessa tez que ficamos não só para o jantar como ansiamos para o dia seguinte não chegar nunca: "Amanhã, o sol arrebenta na cara/ e as olheiras afundam um pouco mais// (Mas felicidade não é muito diferente disso não)". "Por isso a festa", para quem, em solidão, aprende a dançar com e na bendita palavra.

8.9.09

Em Italiano!

Tá bom, voltei praquela fase de só falar das coisas boas que estão rolando com a minha poesia, e refletir pouco, e escrever pouco inspiradamente. É que o tempo anda mais curto do que dá pra acreditar, e gente, eu não aguento as respostas que recebo através do livro e do blog!

Agora foi a vez da Bebel, que deixou recado aqui dizendo que minha poesia está fazendo sucesso na Itália, e eu que sou curiosa perguntei como assim e sente só: a avó dela morreu esse ano, ela quis fazer uma homenagem e mandou pra todo o meu poema sobre morrer. Aí como ela tem amigos na Itália e, muito chique, fala italiano, ela traduziu o poema pra mandar pra eles. Cês acham que eu resisto? Pedi pra ela me mandar, e agora vou ficar aqui me achando o máximo e tentando ler em voz alta o meu poema em italiano. Genial!

Morire poteva essere solo un po'
Poteva essere una gita
Viaggio verso la notte che finisse in un caffè

Morire come un'avventura
Una montagna
Camminare verso il deserto a piede dopo ritornare

Come ballare d'occhi chiusi
Perdersi in un altro corpo
Come un buon whisky, un sonno per intero, un piacere, un odore

Morire poteva essere anche un castigo
Porta chiusa con scadenza di fine
Ma non questo buco, questo abisso

Il tuo riso per sempre assente
La tua musica suonando in me

(poema da Maria, tradução da Bebel)

5.9.09

Salve Geral

Papai está de filme novo na praça. Salve Geral estréia dia 2 de outubro, contando a história de uma mãe que tem o filho preso e se embrenha no mundo das cadeias de Sâo Paulo no ano que precede os ataques de uma facção criminosa que apavorou o Brasil em maio de 2006. Andrea Beltrão emociona como essa mulher, Lucia, e o ator que faz o filho dela é o Lee Thalor, uma revelação do teatro paulista. Quem ajuda a Lucia a melhorar a vida do filho, ao mesmo tempo envolvendo ela nos esquemas do crime é a Ruiva, personagem que vestiu como uma luva na Denise Weinberg, atriz premiadíssima mas ainda desconhecida do grande público. O resto do elenco, que é enorme, segue essa linha: grandes atores pouco conhecidos, o que garante um mistério que torna o filme ainda mais sedutor.

O trailer aí em cima já tá nos cinemas, e foi feito por mim e pelo Rodrigo, que estamos firmes nesse mercado desde o sucesso do Meu nome não é Johnny. Ah, e pra quem não sabe, o papai é o Sergio Rezende, diretor do filme!

4.9.09

da Viviane Mosé

O silêncio não quer ser sozinho, então ele fala
Quem escreve ouve porque cala
Quem escreve escrava
O que o silêncio
Palavra

29.8.09

É por isso que a gente segue (pra ler de baixo pra cima)

2009/8/27 - Citando Rosane Liporace :
Oi Maria,
Obrigada pelas dicas!!! Vou ter bastante material pra me divertir. Depois te dou um feedback do que escolhi.
Claro que pode publicar o email. Sem o menor problema ;-))
Bj

2009/8/28 <mariadapoesia@ism.com.br>
oi rosane,
adorei ser sua primeira! =)
tô correndo mas aí vão as dicas:

da série "mulheres contemporâneas":
elisa lucinda (meu preferido é o 1o, "o semelhante")
martha medeiros (ela é poeta também, sabia? ótima!) (poesia reunida - lp&m)
viviane mosé (meu preferido é o 1o, "toda palavra", não sei se tá esgotado)
da série "clássicos modernos":
adélia prado
ferreira gullar
drummond
dá uma fuçada na internet pra ver os estilos e sentir quem te agrada, daí compra os livros que você escolher!
eu te aviso das minhas novidades, tá?
e posso publicar seu email falando que eu sou sua 1a poeta lá no meu blog? tô achando o máximo! =)
beijo, maria


2009/8/27 - Citando Rosane Liporace :
Maria,
Me avise sim, quando a 2a edição sair, mesmo que demore!
Eu não entendo nada de poesia e pra ser bem sincera, o seu livro foi o primeiro livro de poesia que eu comprei. E como já disse, eu adorei o livro, porque o conteúdo é direto e objetivo sem ser conclusivo, o que dá espaço para o leitor divagar.
Gostei do contato com a poesia e quero continuar lendo, só que não sei muito bem pra onde ir.
Pensei se vc não podia me indicar uns autores modernos, no seu estilo... Rola?
Um beijo,
Rosane

2009/8/27 <mariadapoesia@ism.com.br>

oi rosane,
que legal, a martha foi muito generosa com aquela coluna, o livro foi até pra 2a tiragem de tanto que vendeu por causa dela! =) que bom saber que você seguiu a dica e gostou!
o substantivo feminino tá esgotado... eu lancei independente em 2003, vendi os mil exemplares devagarzinho, e no fim do ano acabou tudo!
eu tô organizando uma 2a edição, conversando com editoras, mas ainda não tem nada certo. vou guardar seu email e assim que rolar eu te aviso, tá?
um beijo e obrigada pelo carinho, maria

2009/8/27 - Citando Rosane Liporace :

Oi Maria,
Por causa do artigo da Martha Medeiros que menciona o seu poema "Pois Dentro de mim não é o melhor lugar para se viver", comprei o seu livro Bendita Palavra e adorei.
Agora eu gostaria de comprar o seu primeiro livro, Substantivo Feminino, mas pelo visto não está a venda nas livrarias. Como eu faço?
Obrigada,
Rosane

27.8.09

Chiques que só

Hoje não sou eu, são meus amigos. Outro dia falei do Ramon Mello, que trabalhou na organização da antologia digital ENTER com a Helô Buarque de Hollanda, mas também é jornalista, poeta em vias de lançar seu primeiro livro, Vinis Mofados, e no momento está organizando textos inéditos do Rodrigo de Souza Leão, que morreu há pouco, além de trabalhar na Secretaria de Cultura com a Adriana Rattes.

Tem também o Pedro Cezar, diretor de filmes tão artesanais que parecem jóias, que fez um sucesso danado com o seu longa de estréia, Fabio Fabuloso, e agora prepara o lançamento do sensacional Só dez por cento é mentira, sobre a vida e a obra do poeta Manoel de Barros. Pra quem gosta de poesia é absolutamente imperdível, porque o Pedro faz poesia com imagens e ainda conseguiu depoimentos deliciosos do Manoel, que só ele poderia mesmo conseguir.

Agora é o Marcio Debellian, outro querido de quem eu já falei muito, responsável pelo hotsite da Saraiva e pelo argumento e produção do Palavra Encantada, filme sobre a relação entre poesia e música que arrebentou em cinemas e festivais pelo mundo. Pois chegou o menino agora vai organizar um ciclo desdobrando os assuntos do filme lá na Casa do Saber, com três noites comandadas por Antônio Cícero, José Miguel Wisnik e Tom Zé. Só pode ser o máximo, né não?

24.8.09

De pernas pro ar


Lá em casa rola um ditado que se repete toda vez quem um dos filhos percebe que faz alguma coisa igualzinho meu pai ou minha mãe: "é o dna!". Comigo, em geral o dna bate com o do papai, o que quase sempre é notado pela minha mãe com uma pontinha de ciúme, ou por ele mesmo com um inegável orgulho.

Esse fim-de-semana o tal do dna ficou comprovado por uma coincidência quase doida: descobri que o meu pai, assim como eu, tem mania de tirar fotos do próprio pé, e tem inclusive uma pasta separada no computador pra essa "série" - exatamente como eu tenho. Coisa de gente doida, né? Mas pelo menos eu tenho a quem culpar por esse meu gosto estranho...

A foto aí em cima é em homenagem a mais essa descoberta, e também uma forma de sonhar acordada nessa segunda-feira nublada de muito trabalho no Rio, quando o que eu mais desejaria era que meus pezinhos estivessem assim, por alto, balançando, de frente pra um céu azul, um mar verdinho, coqueiros ao vento e uma rede branca...

12.8.09

ENTER - a festa

(eu e a minha página na antologia)


(eu e Helô, em foto desfocada mas carinhosa)


(Helô, sua neta e os parceiros no ENTER: Omar Salomão, Ramon Mello e Cecília Gianetti)


11.8.09

ENTER

Entrou no ar hoje a antologia digital ENTER, organizada pela Heloísa Buarque de Hollanda, que sempre e esteve e segue estando ligada em tudo que há de novo no cenário literário brasileiro. Se nos anos 70 ela organizou a antologia impressa 26 poetas hoje, reunindo nomes que ganharam ali status de poetas pra além do mundinho alternativo, agora ela reúne o melhor da produção poética que circula online, ampliando o poético pra não só a poesia mas também a prosa e as artes gráficas.

O jornalista e poeta Ramon Mello trabalhou junto com ela durante meses pra fazer a seleção dos autores, e hoje é a estréia dessa antologia, que não podia deixar de ser virtual, como a produção que ela abriga. Pra saber mais passe aqui, e pra ver tudo passe aqui. Mas
tire algumas horas, que a coisa é quente e ampla!

Ah, faltou dizer que sim, eu tô lá!

9.8.09

Literatura em família

Meu amor pela escrita nasceu em casa. Foram meus pais que me deram os primeiros livros, e foi vendo eles lendo que eu percebi que aquilo podia mesmo ser um prazer. Nenhum conselho é mais poderoso que o exemplo.

Depois teve a escola. Eu fui estudar no Andrews na 1a série, com seis anos, e nessa época a gente tinha "aula de biblioteca", ou seja, um tempo da semana pra passar ali, no meio dos livros, escolhendo o que quisesse ler, sem obrigações nem trabalhos pra fazer depois. Foi meu segundo passo nessa relação de amor pela leitura.

Então os livros foram virando um vício, e com uns oito anos eu descobri na biblioteca da escola a série Inspetora, que me tirou do ar por uns tempos. Eram as aventuras de uma turma de adolescentes numa fazenda perto de uma cidade do interior, e a cada livro eles desvendavam casos mirabolantes. Os livros eram cheios de emoções, de aventuras, daqueles que não dá pra largar, e o melhor é que eram muitos livros, então o prazer daquilo era quase infinito! Eu levava os livros pra casa, mas cheguei num ponto em que qualquer pausa era desculpa pra ler, e passei muitos recreios na biblioteca, nem aí pra correria lá fora, me divertindo com as peripécias daquela turma.

Quando eu comecei a dizer poesia, aos 18 anos, o primeiro poema que escolhi decorar foi o "Caso do Vestido", do Drummond, que eu lembrava que meu pai adorava. Só depois de estrear nesse ofício que eu exerço até hoje descobri que o amor do meu pai por aquele poema tinha sido herdado do pai dele, meu avô Valério, que adora quando eu digo ele ainda hoje a pedido da vovó em festas de família.
Foi um pouco antes disso que eu descobri que a literatura existia na família não só na ponta de quem lê mas também na de quem escreve. Minha tia, Nilza, escreveu livros infantis que foram lançados quando eu já era adolescente, então só fui ler mesmo o que ela escreveu quando ela lançou seu primeiro romance, "Um deus dentro dele, um diabo dentro de mim", que é bom assim como o título sugere.

Depois disso ela escreveu muito, lançou pela Record "Dorme querida, tudo vai dar certo", "Elas querem é falar", além de contos em coletâneas e reedições dos livros infanto-juvenis. Nós duas fizemos Letras, nós duas escrevemos, duas gerações de mulheres falando através do papel, uma em verso, outra em prosa.

E agora ela está dando cursos bacanérrimos e eu, que depois que me formei não tenho estímulo pra estudar mais nada, digo que se for pra fazer um curso que seja com uma professora legal assim, talentosa e criativa! E como não fui eleita pelo povo assumo o nepotismo - que aliás reina na família sem pudores, e ainda bem - e indico com vontade!










3.8.09

Martha na Casa Poema - foi uma delícia


A fotinha solo é do Edney Martins, meu amigo querido e agora membro fundamental da equipe da Casa Poema. Adorei me ver aí, no palco do Teatro Possível, mas rolou muito mais do que só eu falando: os alunos da escola arrasaram, deixaram a platéia e a Martha emocionada, tanto que ela jurou que vai finalmente voltar à poesia, e nós é que temos que comemorar! Depois do recital rolou um papo delicioso dela e da Elisa, e depois sessão de autógrafos, enfim, uma tarde perfeita.

Quem não foi e já tá morrendo de pena de ter perdido, fiquem ligados no site da Casa Poema, onde tem mais notícias de como foi e vai ter em breve notícias dos próximos, porque A Poesia do Encontro vai virar evento mensal, sempre com poetas bacanas!

29.7.09

Martha na Casa Poema


Vai ser nesse sábado, dia 01 de agosto, às 15h, comemorando um ano de vida dessa lindeza que é a Casa Poema. Um recital com os alunos da Escola Lucinda de Poesia Viva dizendo poemas da Martha Medeiros, que vai estar lá pra ouvir ao vivo, ao que frio na barriga que dá! Bom, eu já não sou professora de lá há tempos, já não sou aluna há muitos mais tempos ainda, mas a Elisa convidou e claro que eu aceitei, que não sou nem boa de perder uma chance dessas!

Sabe que a parte chata de ter virado poeta e ter agora meus próprios poemas pra dizer é que acabo nunca mais dizendo os poemas dos outros, poemas que eu amo, que me formaram, que me inspiram, que cabem certinho na minha respiração. Então sábado vou poder brincar disso de novo, e tô amando. Quem se animar a ir, ligue e reserve que a casa vai ficar pequena pra tanta gente!

28.7.09

Livros, muitos livros!

Então finalmente ficou pronta a 2a tiragem do Bendita Palavra! Agora já tenho livros pra levar pra Porto Alegre em outubro, pra deixar nas livrarias e lojas com quem eu faço negócio diretamente, e a 7Letras já pode suprir os pedidos das livrarias pras quais ela distribui!

Nesse meio tempo, entre feliz com as vendas e aflita com a falta de livros, soube de histórias deliciosas, algumas aqui pelo blog, como a da Vivi, outras contadas por amigos como o Leandro Müller, que estava
na Travessa de papo com o Leo Marona quando uma cliente chegou e levou TODOS os discos do Bendita Palavra que tinha no estoque, e eram 10!

Pois agora acabou a aflição, e fica só a parte boa: caixas de livros pela casa, muitos livros nas livrarias, nada pode ser melhor!

19.7.09

o tempo passa, o tempo voa

"Os cinco mais velhos". O título nos orgulhou durante muito tempo, e nos tornava um grupo coeso, como se vê aí na foto: eu, Tavinho, Mariana, Ipe, Beta. Sandálias Ortopé, botas ortopédicas, e pipoca, claro, que ninguém era bobo de ir pro parquinho sem pipoca. Nós fomos os primeiros netos da vovó, e depois vieram mais 15.

Isso tudo já tem muito tempo. Agora os grupos têm mais a ver com o sexo do que com a idade. Aqui embaixo a parte feminina dos netos da vovó (faltando só a caçula Alice, que não mora no Rio) em dia de distribuição de potinhos, que herança ganha ao vivo é muito mais legal. Então somos na frente Julia, Lelê, a vovó, carol, Laura e Mariana, e atrás Beta, Lu, eu e Ciça. Os meninos não ganharam, que potinho não é que nem pipoca, que todo mundo ganha, não...



10.7.09

De volta à telinha!


Terça-feira, dia 14, é a reestréia da segunda temporada do Procurando Quem!!

O programa estreou ano passado, deu super certo, e está de volta ao Canal Brasil toda terça-feira às 21h, por 12 semanas, com convidados sensacionais como Mart'nália, Zeca Baleiro, Ney Latorraca, Mariana Ximenes, Ed Motta, e muito mais! A reestréia, em grande estilo, é com Diogo Mainardi, e o programa está hilário e a entrevista muito interessante e reveladora.

Assistam!

Procurando Quem
Toda 3a feira, às 21h, no Canal Brasil
Reprises sábado ao meio-dia

5.7.09

Scleranthus*

Você acorda animado, com energia, planos. São 9h da manhã de domingo, está nublado, e é óbvio que você devia estar na cama com o seu amor quente e macio, mas você pensa que é uma fase, é preciso acordar e ir trabalhar, e se é preciso que seja então animado e energético, que rende mais.

Você toma seu café-da-manhã sozinho na sala quieta, lê o jornal com uma certa pressa, decide ir a pé pra já fazer um exercício, afinal se é preciso trabalhar domingo deve ser permitida uma certa dose de fuga da obrigação pelo caminho. Você veste o figurino caminhante, calça os tênis high tech e começa a pensar no que vai fazer depois: voltar pra casa? sair direto? trabalhar mais em outro lugar? ou será melhor fazer o outro trabalho agora? mas lá não dá pra ir a pé, será preciso trocar de roupa e abandonar o prazerzinho da caminhada e de saber que está batalhando pela sua beleza&saúde. ou será melhor trabalhar amanhã? metade hoje, metade amanhã? ou tudo de uma vez agora?

Você senta no sofá, o top de ginástica começa a apertar as costas, a sensação de bem estar começa a se dissipar. Você dá telefonemas, faz meias perguntas porque quer respostas que dependem de outros telefonemas, deixa tudo no ar, três bolinhas de malabares voando, nitidamente fora do alcance da sua mão.

Você desliga os telefones, fica sentada no sofá, o desânimo tomou conta. Vontade de tirar toda essa roupa chata e voltar pra cama, onde o amor quente e macio dorme sem saber de toda essa epopéia que se desenrola silenciosa fora do quarto.

Mas não, é preciso ir, há tarefas a serem feitas, você sabe. Você escolhe um casaco pro talvez almoço de depois, olha o computador, resiste, olha o armário, pensa na calça que vai usar, olha o computador, dane-se, você pensa, e se senta em frente a ele, e começa a escrever.

(*Scleranthus é o floral usado pra indecisão)

1.7.09

Se Amostra

Sabe aquele filme que disseram que era ótimo, mas você não viu porque só ficou uma semana em cartaz? E aquele outro que acabou virando lenda, porque sequer foi lançado, nem em DVD? Pois agora você tem um lugar para assistir à prolífica produção audiovisual que não está no circuito comercial, na Se Amostra - O Cinema que Você Nunca Vê: mostra de filmes inéditos e raros, de 3 a 5 de julho, no cinema do Jardim Botânico.
Esse texto aí de cima inteirinho veio parar aqui pelo moderníssimo método copy-paste diretamente do site do Se Amostra. Mas como o tempo anda curto e eles descreveram melhor do que eu poderia fazer agora. Só me resta então dizer que a programação está de primeira, com filmes incríveis, dos quais eu destaco:

- Elke, curta documental da Julia Rezende, minha irmã, montado por mim, com um retrato revelador dessa mulher única. Ela fala sobre a construção da sua imagem despida das máscaras. É a Elke por detrás da Elke Maravilha.

- Só dez por cento é mentira, do Pedro Cézar, meu amigo querido. É um documentário sobre o Manoel de Barros, um dos grandes poetas brasileiros, e é um filme impressionante, que mergulha fundo na obra do Manoel, com a marca registrada do Pedro, que é a inventividade, a criação que merece mesmo esse nome.

Vejam a programação inteira lá no site!

29.6.09

A caminho, O caminho

A caminho está a segunda tiragem do livro. Tudo combinado com a editora, com o auxílio luxuoso da minha querida Valeska de Aguirre, que criou comigo a cara e o jeito do miolo dele, pensou comigo a sutileza de fontes e pontos, e segue me dando a mão sempre que eu preciso.

O caminho é inesperado, bonito e bom. Eu escrevo menos do que se imagina, prospecto mais do que gostaria, e celebro tudo, sempre. Passo mais horas juntando imagens do que palavras, ganho bem pra fazer isso, e gosto. Gosto porque é gostoso e gosto porque preciso, e gostando o dinheiro rende mais.

Tenho 30 anos, uma casa linda, um homem lindo, um trabalho bacana, dois livros esgotados e muitos planos. Tem dias que terminam com dor na nuca e salompas e raiva, outros com sorrisos, barriga cheia e coração leve.

Que o caminho tenha, como tem tido, muito mais desses do que daqueles, e que eu siga sendo simples e exercendo essa vocação pra receber de peito aberto o que está a caminho.

17.6.09

Extra, extra!

O livro esgotou. Assim mesmo, como está escrito. Mas não, falta impacto, e a notícia é impactante.

O LIVRO ESGOTOU.

A notícia me pegou no meio da manhã e desestruturou o que restava dela, a ordem preestabelecida de vestir a roupa, arrumar a mochila, ir pro trabalho, foi tudo pras cucuias.

O LIVRO, MEU LIVRO, BENDITA PALAVRA, ESTÁ ESGOTADO.

A minha cota de 330 exemplares já tinha acabado há tempos, mas agora acabou também a cota de 270 exemplares da 7Letras – e nem me falem no fato de que eles podiam ter economizado na surpresa e me avisado que ia acabar antes, pra eu poder tomar providências e não deixar o livro faltar justo nesse momento de tanta procura.

Então agora eu vou correr, mover mundos e fundos, argumentar e agitar pra fazer uma nova tiragem. Mas nada disso, as providências chatas e etc, vai tirar o brilho desse acontecimento surpreendente:

EM APENAS SEIS MESES MEU SEGUNDO LIVRO VENDEU 600 EXEMPLARES.

Ok, nem todos foram comprados, que eu dei muitos de presente.
Ok, nem todos foram vendidos ainda, muitos estão consignados em lojas e livrarias do Rio, São Paulo, Porto Alegre, ou seja ainda dá pra comprar na boa.


O fato é que eu achava que 600 livros iam ser pouco porque eu vendi sozinha, sem editora nem livraria, os mil exemplares do substantivo feminino.
Eu achava, mas não imaginava que fosse ser tão rápido.

Tô boba, pasma, e feliz.
Não.
Tô feliz, feliz, feliz.
E doida pelo que vem pela frente.

14.6.09

Gospel

Foi a tia do Rodrigo que ouviu. Na rádio gospel, domingo passado, o pastor recomendou vivamente que todos comprassem o livro Bendita Palavra, de Maria Rezende, e citou o mesmo poema sobre o qual a Martha escreveu no Globo mês passado (e que aliás ela retoma hoje, meu deus, a vida pode ser muito boa).

Pois o pastor também gostou desse poema que fala sobre momentos em que a gente não se sente bem na própria pele, e usou esse mote pra falar de mudança. Foi isso que me disseram. Eu ouvi e fiquei pasma: mas o pastor não discordou do baita palavrão que vem alguns versos depois desses? Ele não ficou chocado? Não teve medo de chocar os fiéis que porventura sigam o conselho e comprem o livro?

Talvez não, talvez ele seja um pastor moderno. Mas minha conclusão é a seguinte: ele é um pastor bem informado, leu a Martha, gostou das reflexões dela, viu que o título do livro é Bendita Palavra, juntou tudo e não teve dúvidas, indicou. Eu adorei, e tô aqui curiosíssima imaginando os desdobramentos dessa indicação.

Gente indignada bramindo o livro e pedindo a cabeça do pastor. Gente maravilhada com a possibilidade de pensar e sentir as coisas escritas ali, mesmo sendo fiéis calorosos. O pastor arrependido. O pastor realizado.

São muitas possibilidades, e eu provavelmente nunca saberei o que aconteceu. Mas eu, que vivo desejando e batalhando pra me espalhar por aí, realmente não esperava por essa. E adorei! Quem quiser ler o poema inteiro pra entender o meu susto, tá aqui.

7.6.09

Dar e receber

É das melhores coisas da vida, e atinge sua perfeição quando rola em equilíbrio: você dá, daí recebe, enquanto isso já tá dando de novo. Escrever passa meio à margem desse processo, e aí publicar faz virar a chave. Quem escreve dá o que sente, o que pensa, dá uma visão de mundo, dá um olhar, dá sua emoção. Quem lê recebe tudo isso. Ou não. E quando não a perfeição passa longe e o encanto se quebra.

Em geral não dá pra saber quão bem o processo vai, porque ler é silencioso e íntimo. Mas a internet, na sua grande cesta de maravilhas, trouxe também essa: é possível cutucar o autor no braço, de leve, e dar a ele seu melhor sorriso com as palavras "adorei o que você escreve" estampadas no rosto - ainda que sejam todos, braço sorriso rosto, virtuais e por escrito.

Mas às vezes, algumas, rola mais. Pra além do virtual, pra além do escrito, presentes ao vivo e a cores, de pegar com a mão e deixar a gente descrente de que haja esse tipo de carinho e gentileza ainda.

No começo do ano chegou aqui em casa um pacote com um caderno lindo, todo bordado, e um bilhete da Patrícia, que adorou o livro e quis me dar páginas pra serem palco dos poemas novos. Essa semana foi a vez da Kenia, que foi no lançamento na Casa Poema e virou amiga por email, e agora me bordou dois centrinhos de mesa de crochê, ela mesma, com suas mãos prendadas, delicadezas de outros tempos me tocando em pleno século 21.

E fomos tomar café num fim de tarde, eu ela e Luciano, o marido querido que veio junto lá do Méier pra ela me entregar o presente. E falamos sobre nada em especial, sobre os filhos, sobre os planos, e rimos um bocado e nos conhecemos um pouco, e eu vim pra casa feliz da oportunidade que a poesia me dá de ter encontros, gente tão especial que recebe a minha oferta e me devolve tanto, de tantos jeitos bons, mas que especial esse jeito antigo, corriqueiro e real. Bom demais.

6.6.09

O disco .com!

Ok, eu ando prática demais, falando só de resultados e pontos de venda e conquistas e acontecimentos. Prometo que vou voltar a ser subjetiva e trocas idéias e etc, mas é que o tempo anda curto e caramba, os acontecimentos andam ótimos!

Os últimos são da categoria "pontos de venda". Na carona da matéria no Saraiva Conteúdo, de que eu falei aqui embaixo, o livro agora também está à venda na Saraiva.com, mais uma ótima opção virtual!

Mas a minha menina dos olhos é o seguinte: finalmente consegui colocar o disco à venda na Travessa! Isso quer dizer que a partir de hoje já dá pra comprar o kit completo nas lojas aqui no Rio, e muito em breve vai dar pra fazer o mesmo na Travessa.com. Meu sonho está realizado!

3.6.09

Na rede

Essa minha vida real-virtual é cheia de gente incrível que me lê, que me posta, que me espalha e me divulga e me dá a maior força no ofício de ser poeta. Cada vez que me chega um email de alguém novo, ou um comentário aqui no blog, fico surpresa e feliz com o poder de contagiar outras pessoas, e comemorando o alcance dessa rede doida que a gente habita hoje. Vocês sabem quem são, e eu agradeço muito, viu?

A mais nova integrante do time dos meus amigos virtuais é a Jana Lauxen, uma gaúcha cheia de gás de Passo Fundo que, além de escrever um blog ótimo e ter publicado agora seu primeiro livro, Uma carta por Benjamin, ainda edita o E-blogue, que reúne o melhor dos blogs brasileiros, e a versão brasileira da 3a.m. Magazine, uma revista virtual inglesa que agora existe também por aqui.

Pra minha sorte ela me achou e pronto, lá estou eu nas duas publicações, aqui e aqui.

1.6.09

Entrando no ar

Está entrando no ar o Saraiva Conteúdo, um site muito bacana pra quem curte a cultura brasileira, seja música, literatura, cinema, teatro. De cara já dá pra ver que a coisa é profissa: na primeira página tem chamada pra entrevista com Caetano, Mart´Nália, Nélida Piñon, tem Chico Buarque lendo trechos do livro novo, tem trechos do filme do Pedro Cezar sobre Manoel de Barros.

Mergulhando um pouco mais, dá pra achar páginas sobre novos artistas, ver entrevistas em vídeo, filmes legais, e ainda ouvir podcasts indicados por toda essa gente bacana. Bem felizinha da minha vida, eu tô ! E tem também a Letícia Novaes e o Lucas Vasconcellos, da banda Lettuce, tem a Silvia Machete, o Marcelino Freire, a Gabriela Leite, criadora da Daspu, e tem artigo da mamãe sobre cinema, gente!

Por trás de tanta coisa legal, está meu amigo querido Marcio Debellian, responsável pela idéia e pela produção do documentário Palavra Encantada, trabalhador inventivo, incansável e cheio de gás, que agora comanda uma turma ótima que ralou muito pra botar na rua esse site. Por isso eu recomendo, indico, e assino embaixo!

25.5.09

Esgotou!

Povo brasileiro, acabo de saber pela Bebel que o livro esgotou na Americanas.com.

O livro esgotou. Nem sei quantos exemplares tinham lá, não sei se eles vão comprar mais ou se essa boa notícia na verdade quer dizer tchautchau Americanas.com, só sei que estou feliz de ver que minha propaganda deu certo e que vocês compraram mesmo!

Agradeço feliz, e vamos aos próximos capítulos!

18.5.09

super pop

Gente, eu estou à venda na Americanas.com. Tô chocada. Feliz e pasma.

Você, caro leitor do interior da Bahia, você, cara leitora do Rio Grande do Sul, você que não confia em sites pouco conhecidos pra compras online, você que não quer esperar dez dias pela entrega, clique aqui e compre no super seguro e mega pop site Americanas.com!

E como eu não deixo passar oportunidade, agora tô tentando feito doida colocar lá também o disco à venda, aí vai ser um luxo só! Me aguardem!

17.5.09

Da Martha


A vida é um negócio bom da porra. Eu sou uma otimista, uma mulher simples, que acredita na felicidade, quase uma cinderela moderna cujo príncipe encantado sou eu mesma, é o mundo, o cotidiano cheio de surpresas. Quando era criança toda noite meu pai me botava pra dormir e quando a história começava eu perguntava logo: "pai, tem partes?". "Parte" era a metáfora pra qualquer coisa que tivesse tristeza, ou medo, ou qualquer coisa não boa. E o papai sempre dizia que tinha, e eu sofria antecipadamente mas nunca desisti de ouvir.
Cresci assim, querendo sempre o bom, mas encarando o ruim como parte do caminho. Depois de escrever o último post revi esse aqui e ri sozinha na sala, pensando que postei essa tirinha num momento de super felicidade e foi legal ver de fato me senti assim na hora de um tropeço.
Pois hoje a pose do final do tropeção veio sem tropeção. A Martha Medeiros, de quem eu falei recentemente aqui, me deu seu aval agora em praça pública, nas páginas do Globo, na sua coluna de todo domingo. Saber que a Martha, que eu li e leio tanto, me lê também, já tinha sido uma delícia. Agora saber que a minha poesia provoca nela reflexões, faz ela pensar e querer escrever, é um luxo absoluto, como ser amiga da Elisa e ter tido o queixo segurado pelo Saramago dizendo que eu falo poesia bem. É da categoria das coisas que a gente deseja sem nem saber que deseja, porque nem parece possível antes de acontecer. E sabe o mais gostoso? Fica totalmente natural depois, sem nunca perder o gosto bom de coisa desejada em segredo.
Então a verdade é essa: saber ver o lado bom dos tombos é genial, mas caminhar sem tropeços é o que há de melhor!

6.5.09

tudo ao mesmo tempo agora

Tem dias em que pinta mais de um convite bacana, e a gente fica morrendo de pena de não poder estar em dois lugares ao mesmo tempo. Tem vezes em que os horários se encaixam, e a gente faz de tudo pra conseguir o que parecia impossível. Esse sábado, 9 de maio, vai ser um desses dias.



Já tinha um tempo que eu sabia que ele seria especial, porque vai ser o super esperado lançamento do dvd Sopro dos 7 Ventos, homenagem ao Tonho Gebara, compositor talentosíssimo, guitarrista genial, pessoa mais adorável do mundo e meu grande amigo querido. Foi junto com ele que eu e Rodrigo lançamos nossos primeiros trabalhos, numa noite incrível em 2003. Quando ele morreu os amigos mais próximos e companheiros de banda começaram um movimento que virou o projeto Sopro dos 7 Ventos: sete shows, em sete lugares diferentes, com artistas cantando as músicas dele e a gente matando a saudade desse jeito. O sétimo show foi no Circo Voador e virou o corpo principal desse dvd, que tem extras incríveis: clipes de músicas inéditas, documentário sobre os sete shows, autobiografia do Tonho narrada pelo Rodrigo, fotos de arquivo, mil coisas ótimas!




O dia ficou ainda mais especial porque, por absoluta coincidência, é também o lançamento do Toda feita com as mãos, primeiro livro "oficial" da Mariana Dias, outra amiga querida minha e do Tonho, parte integrante dos saraus que a gente fazia com o pessoal da Letras da PUC e onde a minha poesia e a dela se cozinharam junto com as músicas dele. A Maria é mesmo adepta de fazer tudo com as mãos, e já fez mil livros lindinhos artesanais, mas agora estréia no livro oficial com editora e tudo mais, e vai ser demais ir de um lançamento pra outro nesse clima de saudade boa dessa época.


Completando a noite de lançamentos, meu companheiro de 7Letras e novo amigo gaúcho-carioca Leo Marona lança também seu livro de estréia, Pequenas Biografias não-autorizadas. A gente se conheceu em Porto Alegre na Festipoa e ficou amigos de cara, porque ele é divertidíssimo, e eu logo descobri que é um puta poeta também.



Então o desafio vai ser ter forças pra ir pulando de lançamento em lançamento, e vendo gente querida e abraçando os autores e sendo feliz a noite toda. Pode ter sábado melhor?

26.4.09

De aplausos e vaias

Domingos são sempre uma espécie de encerramento, de despedida da semana, embora quase sempre o que acaba ali seja praticamente igual ao que começa no dia seguinte, variando os detalhes que acabam sendo a parte saborosa da coisa.

Não essa semana. Os dias que o último domingo encerrou foram dias especiais, dias cheios de novidades boas, de gente nova, de surpresas e prazeres. Fui lançar meu livro em Porto Alegre e participar da FESTIPOA LITERÁRIA, festival organizado pelo Fernando Ramos, de quem eu tinha falado um pouco antes de viajar. Pois agora na volta posso falar com propriedade: foram quatro dias de debates, mesas redondas, saraus, encontros de poetas, contistas, cronistas, romancistas, conversando sobre os seus fazeres e sobre literatura sem pompa, sem formalidade, trocando experiências e livros e se divertindo juntos, que é o que afinal consolida os laços.

A noite de abertura teve o Veríssimo, que foi o homenageado do festival, e foi muito bacana ouví-lo ali, na cidade dele, dar pra ele meu livro e fazer a tietagem básica.




(foto de Marco Aurélio Marques)

Depois disso não teve mais tietagem e teve foi camaradagem, a possibilidade rara de conhecer escritores de lá e até daqui, como o Leo Marona, poeta gaúcho que mora no Rio desde pequeno e que lança mês que vem pela 7Letras o seu livro de estréia, Pequenas biografias não-autorizadas. Também foram ótimas surpresas a Ana Mariano, gaúcha que lançou pela LP&M o Olhos de cadela, a Carol Teixeira, cronista e contista e agitadora e bacanérrima, cujo último livro chama Verdades e mentiras. Teve ainda o Luis Pimentel, jornalista e escritor que lançava O grande homem mais ou menos, de contos, e o Sidnei Schneider, poeta que mediou a mesa da qual eu participei e cujo livro mais recente é o Quichiligangues.

A temporada por lá teve debates, bares, teatro (fui ver Medéia no Teatro São Pedro, lindos o espetáculo e o teatro em si), mas o melhor foram os amigos novos que me receberam como antiga: a Adriana Deffenti e a Dani Rauen, cantoras e queridas, a Letícia Bertagna, que eu conheci no festival de cinema de Juiz de Fora ano passado e me levou pra ver o pôr-do-sol no Gasômetro e tomar café na Casa de Cultura Mário de Andrade, a Carol Teixeira e o Fredi, marido dela, escritora e músico e casal ótimo e animadíssimo.

Tudo isso sem falar no Fernando Ramos, que inventou e agitou essa loucura toda, e na Julia, namorada dele, que deu o apoio fundamental pra coisa rolar macia, além de me dar mil caronas no maior bom humor.

O ponto alto da temporada foi a noite de sexta-feira, depois de um debate e do lançamento na livraria Letras & Cia, quando rolou um sarau no Sintrajufe, que vem a ser o sindicato dos funcionários do judiciário do Rio Grande do Sul. Parecia insólito e foi o máximo: era um espaço super aconchegante, um palcão com microfone e luz bacanas, mas o melhor era a platéia super atenta e ligada. Subi depois de uma banda ótima, os POETs, formada por poetas e com letras super bem humoradas e melodias gostosas.

Falar poesia depois de banda é sempre um desafio, então já ataquei logo de Musa do século 21, pra conseguir surpresa e com ela silêncio. Deu certo, daí emendei com o Pau mole e a platéia ficou louca. Acho que nunca fui tão aplaudida, tão entusiasticamente, e se fui já nem me lembro. Com o silêncio e os olhares atentos das pessoas emendei mais uns tantos poemas, e quando terminei o último veio o auge: pedidos de bis! Me senti a Madonna, juro. Disse mais uns poemas e quando desci do palco recebi de perto os elogios, os abraços, os olhares intensos, e vendi todos os livros e cds que tinha levado.

Fui pro hotel feliz que só, me sentindo híper querida em Porto Alegre, vendo a minha poesia funcionar fora de casa, sem o carinho dos amigos pra puxar os aplausos. Acordei nesse clima e logo soube que tinha saído uma resenha do Bendita Palavra no Globo. Parecia o céu na terra, parecia que eu era a eleita pra ser feliz e compreendida, que o meu trabalho finalmente tinha alçado vôo pra além de casa, e era isso mas não era, porque a resenha era bem ruim.

A primeira leitura foi um choque, como imagino que sempre seja saber que alguém não gosta do que a gente faz. E entre muitas sensações daquele momento a que mais ficou foi que é ótimo que o Prosa & Verso tenha selecionado meu livro pra ser resenhado, que entre tantos lançamentos ele tenha sido destacado, e ainda que o resenhista não tenha gostado é genial ter esse espaço.

Se eu não preferia o elogio? Claro que sim, mas percebi também que elogio a gente recebe sempre, e crítica quase nunca. No meio dos aplausos calorosos da noite anterior, certamente teve também gente que não gostou, mas esse não vieram bater no meu ombro e dizer "olha, detestei". Quem não gosta nunca fala, quem gosta sempre. Então achei um ótimo contraponto ler essa resenha no momento ótimo em que eu estava, e talvez justo por isso eu estivesse forte pra não me deixar abater pela crítica e entender que ela faz parte do jogo de estar exposta.

Lutei tanto pro livro ir pra rua, pra ele fazer barulho, com a ajuda de Manu e Rafa corri atrás de cada linha de jornal, de cada nota, como é que agora vou reclamar de meia página de jornal, com o nome do livro, meu nome, e a foto da capa ainda por cima?

Então esse domingo foi o encerramento de tudo isso, de aplausos ao vivo e vaias por escrito, de muito carinho e muito riso, de uma cidade de braços abertos pra mim, de novidades e surpresas. Foi tudo bom pra caralho. E que venha mais!