27.10.06

o risco, meu deus!

Acabo de reler todo o meu blog, mês a mês, pacientemente, em busca de um poema que não estava aqui. Como não estava?! Não consigo crer que escrevo no mariadapoesia há três anos e não coloquei aqui o poema que abre meu livro novo, o poema que me dá forças pra seguir nos caminhos que parecem difíceis, o poema que me inspira e me surpreende sempre.

Então percebo que Mariana tem razão: tem faltado poesia no mariadapoesia. Rodrigo tem razão: ando muito vida real e pouco poeta. E apesar de incomodar faz um bem danado perceber isso porque agora então vou mudar, olha que ótimo!

Abrindo a mudança, o poema:

O risco não é só um traço
É a distância entre um prédio e outro
A diferença entre o pulo e o salto

O risco é riqueza e asfalto a percorrer
Pode ser a pé
Pode ser voar
O risco é o bambo da corda solta no ar

Dentro dele cabe cálculo
Cabe medo e incerteza
Cabe impulso instinto plano

O risco é a pergunta te atacando ao meio-dia
É o preço do sonho pra virar realidade
É a voz das outras gentes testando a tua vontade

Aceitá-lo é saber que não existe
Estrada certa
Linha reta
Vida fácil pela frente

Mas que asa
Asa
Asa
Só ganha quem planta no escuro do braço
Essa semente de poder voar

3 comentários:

Anônimo disse...

Maria, belas asas Maria...
continue voando.

Vivian Cardozo disse...

Ola Maria

Assisti VC declamando o poema no canal Curta.
Parabéns, adorei o poema
ViVian Cardozo

Moni Saraiva disse...

Sou tão grata por esse poema, Maria... Há tempos!
Um beijo!