1.3.13

Saudades do Tonho





Saudade é todo dia, mas hoje é mais. Tonho, seu lindo, que bom você ter aparecido na minha vida com seus figurinos extravagantes e sua doçura e seu talento. O mundo ficou bem mais sem graça quando cê parou de andar por aqui, e eu sinto a sua falta, meu amigo.


Morrer podia ser só um pouquinho
Podia ser um passeio
Uma viagem pela noite que acabasse no café

Morrer como uma aventura
Uma montanha
Andar a pé o deserto depois voltar

Como dançar de olho fechado
Se perder num outro corpo
Como uísque bom, um sono inteiro, um prazer, um cheiro

Morrer podia até ser um castigo
Porta fechada com prazo de fim
Mas não esse buraco, esse abismo
Seu riso pra sempre perdido
Sua música soando em mim

(para Tonho Gebara)

*** Se alguém não conhece o Tonho agora é a hora de ganhar esse presente. O porte, a gargalhada, os cabelos bagunçados, só vai dar pra ver em foto, infelizmente. Mas a música, essa ficou lindamente gravada no cd "Ímpar", e eu agradeço sempre que ele tenha finalmente cedido aos apelos dos amigos e fãs e feito esse registro das suas lindas canções. Algumas delas estão aqui ó.

5 comentários:

Pedro Cezar disse...

Que poema mais bonito!!!

Gebara&Filartiga arquitetos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Lindo, Maria.
Essa foi uma semana de saudades. E seu poema define boa parte dos sentimentos vividos todo ano nesta mesma época nos últimos 10 anos.
Beijos. Beto Gebara

Elizabeth disse...

Lindo!! Saudade eterna...

CuboTopia disse...

D++++++++++++++
Não tenho q chorar mas Tonho!