9.8.11

Porque não é justo que eu só reaja
(não comigo, ser de testa e tetas)
(não contigo, ombro macio, garras)

Porque é assim devo domar meu medo
anti-domar-me
devo ser selvagem

Porque é injusto
eu, flechas nos cabelos
devo estar nua
devo arriscar-me

Instinto ativo
eu carvão em brasa
Semi-vulcão
eu erupção, eu lava

Eu a que queima
eu a que é queimada
eu búfalo
eu leão que dizima a manada

Eu ornitorrinco, eu o esquisito
testa tetas bico patas
eu esdrúxula, eu toda a coragem
dedos mãos ações viagem

4 comentários:

Mariza Leão S disse...

Como disse o Bayão : privilégio !

Anna Amorim disse...

Qual nome deste poema? Postei no meu BLOG identificando tua autoria.

Abraços,

Anna Amorim

maria rezende disse...

oi anna, eu não sei brincar de título, sabe? ;) então os poemas nunca têm! que bom que cê gostou e espalhou e me creditou! merci!
beijo, maria

Anna Amorim disse...

Ok, vou usar a primeira frase como faço com outros ok? É um padrão p estes casos, pois qdo gosto de um autor faço mais q uma postagem.

Te convido para circular pelo PALAVRA DE MULHER tem poemas meus. Lê o poema que inaugurou o blog e q postei qdo este comemorou 2 anos, talvez goste.

http://palavrademulher-annaamorim.blogspot.com/2011/08/palavra-de-mulher-comemora-2-anos.html


Beijos,

Ana